Prosa e outras autorias

O grande amor, por @colunafantasma

Se foi bom pra mim? Putz, você está brincando, não é? Foi bom demais, foi muito bom! Parecia que eu estava dopado, tamanho era o tesão…na boa, quer que eu diga mais? Faz muito tempo que não sinto rolar tanta química e sintonia como ainda há pouco… Como não acredita? Estou falando a verdade, oras! E posso te convencer disso se me deixar te contar um pouco de mim, contextualizar isso, entende? Por que essa cara enfadonha? Não…deixa pra lá, não digo mais nada… Está bem, está bem, já que você insiste, eu conto.

Sabe, sou um homem que já teve todo tipo de mulher. Não só por ter buscado o sexo oposto frenética e constantemente toda a minha vida, mas também porque as coisas ficam mais fáceis quando podemos proporcionar conforto aos nossos iguais. E dinheiro para isso nunca me faltou. Aliás, tem três coisas que toda mulher tem apreço por quem a proporcione isso: o cara poder dar conforto, saber ouvir e ser boa pinta – incluso aí como ele se veste, se apresenta. E eu, incontestavelmente, sempre prezei por fazer tudo isso que elas sempre gostaram. Por exemplo, sempre gostei de conhecer as pessoas no seu âmago, de ouvir suas histórias e de conversar. De mais a mais, sempre fui boa pinta e – convenhamos – com os quarenta e quatro que tenho, estou inteiraço e… O quê? Não, não. Não estou sendo prepotente, isso é uma interpretação falha de um rótulo que me pôs agora…são constatações, ué, tenho espelho em casa. Mas, pseudo-esnobismos a parte, na verdade, estou sendo verdadeiro como jamais fui com alguém. Não costumo falar de mim assim, a menos que a pessoa seja muito próxima. Ou especial.

Bom, um dos grandes problemas de todos meus relacionamentos, o ponto chave, é que sempre fui um sátiro. Tive problemas sexuais com todas as mulheres que apareceram em minha vida. Eu queria mais, mais e mais. E depois que tinha todo o sexo que eu desejava ou frações dele, quando eu estava, digamos, saciado não achava a mínima graça. Sentia uma sensação estranha após fazer amor… Se era agonia? Não, não. Desapego? Sei lá…como eu explico? É como se eu quisesse sumir dali naquele exato momento que o ato acabava, com vergonha de mim, com nojo da minha hipocrisia fazendo aquilo e sentindo que faltava algo, e que esse algo era amor. Pffffff…quanta tolice. Realmente, depois dos quarenta, com maturidade suficiente, é que sabemos aproveitar esse sentimento. Só em pensar que magoei tanta gente sem saber…quer dizer, eu sabia que as estava magoando, mas não tinha consciência que era falta de sabedoria, que buscar a felicidade no próximo exaure nossas forças, subtrai nosso quociente emocional, e assim, substituí uma a uma minha vida inteira, buscando algo que não sabia o que era.

Eu sei que você não está entendendo nada. E muito menos gostando, pela sua cara percebo isso. É que sou um falastrão e enrolo e enrolo para dizer o que penso de verdade. E o que tanto quis te dizer e que ficaria sem sentido falando logo de início é que sinto que hoje descobri o que tanto buscava. É você, minha mais pura alegria de viver, já diria aquele grupinho cafona de pagode. Entende o que digo, né, está de olhos arregalados, me fitando, esperando com esse meio sorriso qual minha próxima sentença. Pois bem. Quando já estava habituado, desejando ser solteiro para o resto da vida, por não ver luz no fim do túnel, quando achava que estaria fadado a nunca viver algo grandioso, eis que me aparece você, com seu jeito voraz, me provocando com essa coisa intensa, assustadora, sempre algo inusitado, diferente de tudo que já vivi, de um carinho, uma compreensão e um quê de exaspero por mim e pelo meu corpo tão grande, que…sei lá, com você é muito diferente, é outra coisa, minha vida mudou desde que apareceu! Ah, quer saber do que mais? Que se dane o mundo e seu machismo hipócrita! Eu preciso abrir meu peito e dizer o que está transbordando aqui, você, só você, você é meu grande amor, Jurandir.

Fernando R. Silvawww.colunafantasma.blogspot.com | Contos, crônicas e outros devaneios.www.aescritasalaz.blogspot.com | Contos atrevidos e apimentados.www.confraria dostrouxas.blogspot.com | Aos sábados, o amor homem/mulher e suas vertentes.www.twitter.com/colunafantasma/favorites | Devaneios diários e microcontos.

Anúncios

Um comentário em “O grande amor, por @colunafantasma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s